terça-feira, 21 de março de 2017

21 de Março


Hoje é dia 21 de Março. 

Transfiro-me na memória do tempo, e entro no mais recôndito do meu Ser, para recordar com muita saudade, com muita saudade mesmo, com uma saudade maior do que o sentimento que ecoa na voz de uma fadista, a vivência deste dia, nos meus tempos de criança e adolescência.

21 de Março, dia da Floresta. Para mim, dia da Árvore, dia em que me diziam começava a Primavera. Era um dos dias que eu mais queria e desejava no Ano. 

Dia em que o meu Ser, se embebia no odor da Esperança, na força de viver, e se projectava para além do eu, ao acreditar que conseguiria algum dia materializar o onírico que me invadia a alma. 

Dia Feliz, dia de Felicidade. Era como se o ano aí começasse.

E todos os anos assim era. 

Era um dia de Renovação. Renovação da Esperança, até ao dia em que o peso da verdade da vida, suplantou a ilusão, e, a face real me quebrou a máscara da inocência.

2017, dia 21 de Março, um dia, apenas, no calendário de uma vida.
 

terça-feira, 14 de março de 2017

Saber Ouvir
Desenho: Samuel Patrocínio


Tenho sentido cada vez mais, que a nossa sociedade, não tem o dom da escuta. A Interrupção das ideias e a formulação de juízos incorrectos são prática comum e frequente.

 Sempre ouvi dizer, que saber ouvir é uma virtude. O Rei Salomão, no livro de Provérbios, refere que “Quem responde antes de ouvir comete grande tolice e passa vergonha!” – Prv.18:13.

Responder antes de ouvir na íntegra tudo o que alguém tem a dizer, só por grande “sorte”, não redondará numa mensagem enviesada. 

Determina o respeito pelo outro e o bom senso, que escutamos tudo o que o nosso “oponente” tem a dizer antes de devolver-mos a nossa resposta, se é que há resposta a devolver.

Num processo normal de comunicação, a mensagem que o receptor capta, pode por uma série de factores, ser diferente daquela que o emissor tenciona transmitir. Agora imaginem, quando a comunicação é consecutivamente interrompida e quando dela se tiram ilações completamente opostas à mensagem que o emissor pretende transmitir.

Resultado: Promoção da conflitualidade e da discórdia, com todas as repercussões que isso implica.




quinta-feira, 9 de março de 2017

Para todas as mulheres do mundo
 
Um grande beijo

obs: Ontem  foi-me impossível passar por aqui para vos deixar um beijo..., mas ele aqui está, porque todos os dias são dias da Mulher.

quarta-feira, 1 de março de 2017

OS SEMPRE PODEROSOS
Desenho: Samuel Patrocínio

Recupero hoje  um Post, que coloquei há anos. Apetece-me. 
 
Quando falo em SEMPRE PODEROSOS, falo de todos aqueles, que pela mentira, o discurso fácil, apelativo, lisonjeador, aproveitam e fazem-se aproveitar das debilidades humanas (muitas em consequências de situações imprevisíveis e sem culpa do próprio individuo, outras resultantes da sua vontade estúpida,  de um pavoneio ignóbil, gerador de maus resultados). 
 
Associado a tudo isto, estes SEMPRE PODEROSOS, ainda utilizam a arma da "chantagem" económica, enfraquecendo os já de si fracos, muitas vezes, com a sagrada “permissão”, de serem perante o Mundo exemplos intocáveis de uma religiosidade imaculada, quando na verdade não passam de uns autênticos ... (isso mesmo), que até a mais reles das meretrizes teriam nojo, em os ter parido.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

EU SEI, EU SOU, EU... EU... EU...


Espanta-me viver num mundo com cada vez mais incertezas, e dar de cara com indivíduos com cada vez mais certezas.

A cada dia que passa, fico com a noção, de que estou perante uma Sociedade Ignorante, pouco intelectualizada e sem visão global de mundo, mas que se julga extremamente culta, dominadora de todos os assuntos e saberes, e que nunca, mas nunca perde a razão.

Recordo num passado próximo, tanta gente de grande saber, que punham na humildade a sua forma de comunicar e interactuar com o próximo.

Hoje, deparo-me com gente Arrogante. Com gente despersonalizada de sapiência, que carrega um falso arcabouço de sabedoria dominada por uma posse altiva de, EU SEI, EU SOU, EU… EU… EU… 

Já não tenho paciência para aturar esta turba de Insensatos. Fedem a estupidez e quando abrem a boca soltam brasas de ignorância. 

Há muito que deixei de querer ter a minha razão. Dou-lhes de bom grado “a bicicleta”. Já não perco tempo em tentar mostrar o óbvio, a quem despreza o bom senso da razão. 

Intui-o que eventualmente a principal causa, deste “desacerto”, se deve à democratização do Ensino Superior. Formaram-se em massa licenciados, sem que muita gente tivesse estrutura, para alguma vez auferir o título de doutor. A moda pegou e arrastou-se a toda a pirâmide social. 

Disfarçam com a Arrogância o vazio de conhecimentos. Acreditam e praticam até à exaustão, EU SEI, EU SOU, EU… EU… EU…